Ossos do ofício

Que algumas profissões não são reconhecidas todos sabem. E por reconhecidas eu não quero dizer que tenha um entidade que as represente. Por exemplo, eu sou analista de sistemas, mas não existe um CRTI (Conselho Regional de Tecnologia da Informação) ou algo equivalente. Nós somos vinculados ao CRA (administração).

O problema maior é que as pessoas não reconhecem o valor do profissional. Quem já não ouviu alguma conserva do tipo "Você não faz um programinha para controlar meus pedidos?" que atire a primeira pedra.

Um dos fatores que causam esse tipo de situação é que algumas pessoas, acham que sabem programar, mas na verdade não sabem nem cobrar o preço justo. Outro fator é que no Brasil todos querem levar algum tipo de vantagem, e aí contratam um sujeito que não tem qualificação nem, o que é pior, profissionalismo, pois o preço é o fator preponderante e não a qualidade.

Essa semana descobri o blog do Di Vasca, ele é um profisional de arte e volta e meia alguém pede para ele fazer um trabalhinho, normalmente uma ilustração ou  folder, "bem fácil", "bem rápido", só que ninguém quer pagar. Isso me fez lembrar algo que ocorreu no começo de minha carreira, no início dos anos 90.


Naquela época só existia o Windows 3.11, e a maioria esmagadora dos programas era feito no bom e velho DOS. Os computadores eram XT ou 286. Os 386 eram "servidores"! Eu ainda não era formado, mas já programava, na época em Clipper. Garoto esperto, muitos anos de praia, resolvi desenvolver um programa que atendesse uma grande demanda reprimida em minha cidade, Balneário Camboriú: as imobiliárias. Como não entendia muito do assunto, fiz um acordo com um dono de imobiliária: ele me passava o conhecimento e eu desenvolvia o sistema. Após isso, eu poderia vender o sistema para outras imobiliárias. Na época, diante das circunstâncias, foi um bom negócio, para ambas as partes.

Como acontece com qualquer ramo de atividade, sempre existem os otários espertinhos. Teve um que não me pagou. Mas eu havia colocado uma trava no sistema que depois de 45 dias após a instalação, gerava um erro do tipo: "Esse programa executou uma operação ilegal e será fechado.", enfim, era um erro como outros quaisquer do DOS. Nos clientes que me pagavam, eu passava alguns dias depois e falava que ia "atualizar" o sistema e removia a trava. Simples, fácil e indolor (para que é honesto).

Depois de muitos telefonemas e idas à imobiliária, desisti. Pois o sujeito, não me pagava de jeito nenhum, ficava só tentando me enrolar, com coisas do tipo: "Estou sem fluxo de caixa no momento", "Vou receber um dinheiro na sexta, então passe aqui no começo da semana que vem". Mas, o tempo passa... E 45 dias não demoram tanto! Eis que ele me liga, apavorado pois estávamos iminência da temporada de verão, e todas as reservas estavam no sistema. HUAHUAHUAHUA. SIFU! Fiz jogo duro, inventei uma história que estava muito ocupado, e que seria difícil ir naquele dia. Ele insistiu e por fim, cedi. Porém, informei que teria que cobrar uma taxa de visita técnica (abusiva, lógico) e acertar o pagamento do sistema. Resultado: saí com um cheque que rendeu os juros, correção monetária, multa, cervejas, mulheres, etc. Chupa otário!


Essa foto não tem nada a ver com o assunto, mas estava ficando muito sério!
Outro caso que foi marcante, aconteceu alguns anos depois, quando os computadores já eram melhores e eu já desenvolvia para Windows, com o Delphi. Para homenagear o Di Vasca, vou reproduzir o ocorrido no estilo dele, ou seja, via email.

De: Givanildo
Enviada em: segunda-feira, 5 de abril de 2004 20:14
Para: Alexandre
Assunto: Sistema de Controle de Estoque
Olá Alexandre,
Fui indicado por um amigo seu, o Jonatas. É que eu estou precisando de um programa para controlar estoque. O meu sobrinho já fez uma parte, e eu quero só o básico, sabe como é, né? Quanto você cobra?

De: Alexandre
Enviada em: segunda-feira, 5 de abril de 2004 22:35
Para:  Givanildo
Assunto: RE: Sistema de Controle de Estoque
Olá Givanildo,
O preço depende do que tamanho do sistema e da complexidade do mesmo. Não tenho como passar um orçamento sem entender bem o que você precisa. O ideal é que eu fosse até sua loja e verificasse o funcionamento do seu estoque e você me desse mais subsídios para eu elaborar um projeto básico do sistema, e aí, sim, eu poderei te dar um orçamento condizente com o sistema que você quer.
Além disso, dar continuidade em um programa de outra pessoa não é nada fácil, aliás, é mais fácil começar do zero.

De: Givanildo
Enviada em: terça-feira, 6 de abril de 2004 16:33
Para: Alexandre
Assunto: RE: RE: Sistema de Controle de Estoque
Ahh, mas aí é muito complicado. Eu só quero o básico, entende? Então não vai dar para aproveitar o que o Júnior fez? Ele falou que já fez algumas telas de inclusão, mas ainda não tem nada de banco de dados. Mas se não tem jeito de aproveitar o que ele fez, não tem problema. Mas como estou com um pouquinho de pressa, você não poderia me enviar um orçamento ainda hoje?

(Nota 1: olhe o horário acima)

De: Alexandre
Enviada em: terça-feira, 6 de abril de 2004 19:35
Para:  Givanildo
Assunto: RE: RE: RE: Sistema de Controle de Estoque
Infelizmente não tenho como dar continuidade ao trabalho do seu sobrinho, pois existem diversos complicadores como a lógica do programador, a linguagem de programação utilizada, etc. E também não tenho como enviar um orçamento sem entender o que você realmente precisa. O desenvolvimento de um sistema, é um processo, envolve várias etapas como, análise, codificação, testes, etc. Por isso, se você estiver com muita pressa, vai ser complicado fazer um sistema, normalmente não é uma coisa tão rápida.

De: Givanildo
Enviada em: terça-feira, 6 de abril de 2004 21:48
Para: Alexandre
Assunto: RE: RE: RE: RE: Sistema de Controle de Estoque
É por isso mesmo que eu quero uma coisa simples, básica, pois tenho pressa. A fiscalização está me cobrando um tal de ECF para emitir os cupons fiscais e já estou atrasado e não estou querendo gastar muito com isso, estava pensando em uns R$ 300,00, R$ 350,00. O que você acha? Dá pra fazer por esse preço?

(Nota 2: ECF é a sigla de Emissor de Cupom Fiscal)


De: Alexandre
Enviada em: quarta-feira, 7 de abril de 2004 13:18
Para:  Givanildo
Assunto: RE: RE: RE: RE: RE: Sistema de Controle de Estoque
Mas se é para emitir cupom fiscal, o sistema não é só "controle de estoque". É muito mais abrangente. Além disso, a utilização das impressoras fiscais só pode ser feita com software homologado para elas. Por isso, será preciso comprar um programa de uma empresa que já tenha a solução completa. Mas já para alertá-lo, você irá gastar bem mais que R$ 350,00. O meu orçamento seria bem maior que isso. Aconselho a você procurar alguns softwares "de prateleira", entretanto, não posso indicar nenhum, pois não conheço as características deles.

De: Givanildo
Enviada em: terça-feira, 8 de abril de 2004 07:31
Para: Alexandre
Assunto: RE: :RE: RE: RE: RE: RE: Sistema de Controle de Estoque
Vixe, então a coisa pegou pro meu lado...



Para efeitos jurídicos, todos os nomes envolvidos foram alterados.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Netflix não mostra ícone de streaming

Concorrência com GO

Problema ao transferir arquivos grandes via FTP