Tipos de passageiros nos ônibus

Entre Dez/2004 e Mar/2006, usei ônibus todos os dias para ir trabalhar. De Balneário Camboriú a Florianópolis. São 150 KM por dia. E durante esse tempo vi algumas coisas dignas de crédito, que por isso mesmo, compartilho agora.

1. A velha surda (não é a da praça)
A senhorinha, com seus 70, 80 anos, sentada na 1ª fila, falando com sua filha, do interior de São Paulo. Bauru, para ser mais preciso. Comentava sobre vários problemas, como por exemplo: sua insônia, seu filho que quase não ligava, do vizinho barulhento. Como sei disso, se eu estava na 5ª fila? Acontece que ela por ser meio surda, gritava ao telefone (é eu sei, se ELA é surda gritar não adianta, mas parce que ELA não sabia disso). Sei que ela não ouvia direito pois ela mesmo disse (para o ônibus todo): "Fale mais alto meu bem, você sabe que não escuto direito!". Acredito também que ou ela ligou a cobrar ou o celular dela era pós-pago, pois foram uns 20 minutos de ligação.

2. O fedido
Bem, desodorante vencido é uma coisa. Agora, o cara às 06:50, estar com uma "asa" que espanta até o Godzilla, faça-me o favor! Mas foi legal ver ele passando pelo corredor e as pessoas se espremendo e fazendo caretas. Ainda bem que o martírio durou apenas uma semana. Ah sim, o ônibus foi condenado pela vigilância sanitária e teve que ser queimado. 2 vezes. E depois enterrado à 700 metros de profundidade no meio do deserto da Mongólia.





3. O espaçoso
Isso é uma coisa que me irrita. O sujeito senta e se esparrama pelo banco. Daqui a pouco ele já está com o braço no seu (epa!) lado do banco. Uma vez um cara assim sentou no banco ao meu lado e alguns segundos depos já estava tentando invadir meu pedaço de terra. Ah, mas comigo não tem esse negócio de reforma agrária. Empurrei o sujeito de volta ao lugar dele. Depois de uns minutos, aconteceu de novo. Aí me irritei: "Você comprou as duas poltronas?" - perguntei. Ele disse: "Não", sem entender muito. "Então faça o favor de ficar NO SEU LADO". Não me incomodou mais. O pior de tudo é que o cara era pequeno, não devia ter mais do 1,65m. E já vi alguns caras com mais de 1,90m que tentavam de todo jeito não incomodar que está ao lado. Bem que dizem que os pequenos são mais invocados!


4. O roncador
Esse dia não foi fácil. Normalmente na ida todos dormiam. Menos nesse dia, quando somente um dormiu. Como eu sei disso? Com o barulho que o sujeito fazia, era IMPOSSÍVEL dormir. Era tão alto que mesmo com fone de ouvido e o barulho da estrada, ainda dava para ouvir o ronco. Era tão alto que até o motorista parou o ônibus assustado, pensando que era alguma peça solta. Tá bem, não parou, mas garanto que ele pensou em parar. O legal era que o roncador às vezes acordava, provavelmente com o próprio barulho, e todos ficavam aliviados. Mas ele logo voltava a dormir. E a roncar.
 
5. O bêbado
Esse é um tipo normal, de vez enquando aparecia um dessa raça. Normalmente são dóceis e só querem dormir. Mas se alguém contraria um deles... Aí o ônibus todo paga o pato. Dão discurso, falam dos amores impossíveis da vida, das desilusões, das falsas esperanças, e, dormem. Ainda bem.  Uma vez o motorista chegou a parar o ônibus e ameaçou a colocar o bebum pra fora. Ele ficou quieto enquanto o motorista dava a bronca, mas foi virar as costas e ele mostrou a língua. Risada geral. Se um desses senta ao seu lado, o truque aqui é fingir que está dormindo. Mas mesmo assim eles ficam conversando contigo. Mas é mais fácil aguentar.
6. O mentiroso
Essa eu tenho até testemunha. O cara, que tentava impressionar duas meninas, começou a falar abobrinha. Até aí tudo bem, quem não dá uma aumentadinha, né? Acontece que a coisa começou a ficar absurda. Lembro só da pérola final, que ele largou quando já estávamos na via expressa: "aqui vai pra ponte, mas normalmente eu não venho por aqui, eu entro na ilha pela estrada". Eu também prefiro ir pela "estrada", mas depois que o metrô de superfície começou a passar ao lado, eu e o resto da pessoas que não estão internadas num hospício (ou o imbecil) estamos só usando a ponte.


7. As festeiras
Era sexta-feira de carnaval. Ao lado do ônibus, um grupo de umas cinco ou seis garotas, faziam a maior festa. Quando vi que iam entrar no ônibus pensei: "vai ser mais um daqueles dias". Por sorte foram bem para o fundo (eu estava na 4ª fila), aí a bagunça não atrapalhou. Mas elas foram cantando até Floripa. O lado bom (sempre tem um lado bom), é que eram todas gatas, de salto alto, e saias curtinhas. Acho que por isso ninguém reclamou com elas!



8. A gostosa
Depois de 15 meses usando ônibus todos os dias, em algum momento, tinha que dar sorte. E aconteceu. Antes de continuar aviso, para efeitos jurídicos e de esposas brabas, que o relato a seguir, é fruto de minha imaginação. Entrei rapidamente no ônibus e sentei no meu lugar. De repente, entra uma loira, linda, de botas, salto alto e minissaia. Para meu deleite ela sentou ao meu lado. E era cheirosa. E puxou conversa. E era muito legal. E o telefone dela era 9201..... (que estranho, não estou conseguindo digitar os números, bom deixa pra lá). Aliás, é melhor eu não me comprometer mais...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Netflix não mostra ícone de streaming

Concorrência com GO

Problema ao transferir arquivos grandes via FTP